VEREADORES DE APARECIDA/SE APROVAM MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA A PROPOSTA DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA

O SINDIPREV/SE levando a informação a todas as cidades sergipanas

11/04/2019 20h:01

A Câmara Municipal de Aparecida/Se realizou hoje, 11, 09h, Audiência Pública sobre a PEC 06 – Proposta da Reforma da Previdência no intuito de debater com sindicalistas, trabalhadores e sociedade a proposta de Bolsonaro para os trabalhadores ativos, aposentados e pensionistas.

Para a realização das palestras, a Câmara convidou o Coordenador Geral do SINDIPREV/SE, Joaquim Antonio, a diretora do SINDIPREV, Ana Márcia Fassbender, Daniela Bento, representante da Articulação do Semi Árido - ASA, e a Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Aparecida, Ana Paula Oliveira para que todos pudessem fazer a exposição do texto proposto e o impacto/prejuízo aos trabalhadores e, consequentemente, economias dos municípios.

A representante da ASA, Daniela Bento, falou da indignação das mulheres brasileiras pela perseguição covarde do Governo Bolsonaro através de ações e, principalmente, através do aumento da idade mínima e tempo de contribuição das mulheres na proposta da Reforma da Previdência.

A diretora do SINDIPREV/SE, Ana Márcia Fassbender, iniciou sua fala fazendo um comparativo entre o diretor previdenciário atual e a proposta “descabida” do Governo em retirar os direitos garantidos como, por exemplo, a redução do valor monetário do BPC. Ana Márcia salientou que não existe como um ser humano se manter com o valor de R$ 400,00 proposto por Bolsonaro e sua equipe.

O Coordenador do SINDIPREV/SE, Joaquim Antonio, lembrou a todos sobre o pacto social construído na CONSTITUIÇÃO DE 1988, que instituiu o Sistema Integrado de Custeio que financiaria a SEGURIDADE SOCIAL, e toda a sua política de Redistribuição de Renda. O Coordenador demonstrou, com números do Governo, que a SEGURIDADE SOCIAL é “superavitária” com valores acumulados de 2005 a 2015 no valor de 672 bilhões de reais, que serviram para o Governo ao longo dos anos desviarem os seus recursos através da DRU – Desvinculação da Receita da União. Os representantes do SINDIPREV/SE encerraram a sua participação falando da “privatização” do sistema previdenciário, proposto por Bolsonaro, que levou o Chile ao caos político, econômico e social. O SINDIPREV/SE convocou os vereadores e trabalhadores presentes a criarem um grande pacto de defender o Sistema de Seguridade Social que, se modificado, poderá levar as pequenas economias à falência, como no Chile.

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Aparecida, Ana Paula, falou sobre o impacto da Reforma na vida do trabalhador rural que, se aprovada, causará muito sofrimento aos nordestinos. “O que será da nossa cidade se os aposentados receberem 400 reais?”, falou Ana Paula sobre o BPC.

Após as falas dos representantes sindicais, o presidente da Câmara Municipal, MARQUINHOS PEREIRA, abriu a fala a todos os vereadores que, por unanimidade, reconheceram que a Reforma só irá causar sofrimento ao povo brasileiro e que a Câmara Municipal de Aparecida precisava aprovar Moção de Repúdio contra a PEC 06 e encaminhar a todos os parlamentares sergipanos.

O Presidente da Câmara, Marquinhos Pereira, colocou o ponto da Moção de Repúdio em votação que foi aprovado por unanimidade e que os vereadores deveriam procurar os Deputados Federais e Senadores para colocar o ponto de vista: NÃO PODEMOS APROVAR O FIM DO DIREITO PREVIDENCIÁRIO.

Os representantes do SINDIPREV/SE saíram com a sensação do dever cumprido e que a luta será ainda maior para compartilhar o GOLPE CONTRA O POVO BRASILEIRO.

 

Por: Marcos Jefferson (DRT/SE 376)