SINDIPREV/SE MOBILIZA SERVIDORES CONTRA POLÍTICA PUNITIVA DO INSS

O Instituto não assume a sua inércia

26/07/2019 05h:22

O SINDIPREV/SE, desde janeiro, buscou o auxílio do Ministério Público Federal para denunciar a falta de condições de trabalho no INSS aos servidores, principalmente nas APS/PEX, na concessão dos direitos previdenciários à população. A falta de servidores, treinamentos, equipamentos e link para trabalhar, gerou um acúmulo de processos represados gigantesco em todo Brasil sem a devida contrapartida do Governo em fazer concursos e modernizar a estrutura do Instituto. Em Sergipe, grande parte das APS/PEX do interior do estado possui, ridicularmente, link de 512 Kbps de velocidade impossibilitando os servidores de atender a demanda crescente no estado.

SINDIPREV/SE FAZ DENÚNCIA AO MPF

Através de deliberação em plenária da CNTSS, o SINDIPREV/SE buscou o MPF para fazer denúncias da incapacidade tecnológica e estrutural do INSS em atender a demanda sergipana. O Coordenador Geral do SINDIPREV/SE, Joaquim Antonio, acompanhado dos diretores ISAC SILVEIRA, que também é vereador, e Deivid Christian, já participaram de 05 (cinco) audiências no MPF para justificar ao Ministério e à população o motivo pelo qual os processos já chegam a, quase, 30 mil represados.

Na primeira audiência com a Procuradora Martha Figueiredo, também apresentou ao SINDIPREV uma série de denúncias contra o INSS, principalmente, ao primeiro atendimento nas APS e demora nas resoluções do processo. Após as explicações técnicas do SINDIPREV/SE, a Procuradora compreendeu que o problema não está no servidor, mas na falta de política de gestão que melhore a realidade caótica do INSS.

CGNAD LUTA PARA QUE A GDASS NÃO SEJA PUNITIVA

O diretor do SINDIPREV/SE e membro do CGNAD, Deivid Christian, informou da disposição e trabalho contínuo do CGNAD em mostrar ao novo Governo que a GDASS é um instrumento de Desempenho e não de punição. Desde o início do Governo, o INSS acena para a redução salarial via diminuição da GDASS, não reconhecendo os problemas avassaladores em questão e a falta de uma política que reestruture o Instituto para atender a demanda nacional.

Na última reunião do CGNAD, o INSS apresentou uma cesta de serviços contendo apenas o que o Instituto entende como prioritário como, por exemplo, concessão, CTC e pensão, deixando de fora todos os outros serviços realizados pelos servidores a exemplos do MOB, Revisão, Atividade meio, etc. O CGNAD se opôs a argumentação do INSS, mas o Instituto segue com a sua política punitiva determinando que 20% dos servidores de cada gerência realizem os serviços tidos como prioritários para que a Gerência consiga manter a GDASS.

Em entrevista, abaixo, o Presidente do INSS, Renato Rodrigues Vieira, propõe medidas que ferem o direito do segurado e do servidor da Previdência Social. As declarações foram feitas para a Gaúcha ZH, no dia 23 de julho e usam a GDASS como punição ao servidor, ouça:

 

SINDIPREV/SE ESCLARECE E MOBILIZA A BASE

Diante do cenário caótico, o SINDIPREV/SE tem percorrido os locais de trabalho para ar sobre a nova política adotada pelo INSS e a necessidade de manter a unidade para enfrentamentos futuros em defesa do emprego, salário e futuro.

Estamos vendo claramente que o Governo não assume a sua incompetência administrativa, jogando para o servidor a responsabilidade pela “falta de concurso, estrutura, treinamentos e Direção competentes”, numa tentativa de demonstrar a sociedade que os culpados, os servidores, estão sendo punidos com a redução salarial.

O SINDIPREV/SE já denunciou ao MPF e a toda sociedade os verdadeiros culpados pelo CAOS.

O SINDIPREV SERGIPE NÃO FOGE À LUTA!

Gestão 2017/2020  - Coordenador Geral: Joaquim Antonio Souza

Por: Marcos Jefferson (DRT/SE 376)