SEM DEFLATOR GEX AJU NÃO ATINGE A META DO MÊS

Risco em perder a GDASS

07/12/2019 07h:46

A reunião do CGNAD, realizada dia 05 de dezembro de 2019 em Brasília, iniciou com o Presidente da Comissão, Hélder, apresentando relatório de acompanhamento e os resultados de novembro da medição do ITC-GDASS, considerando os expurgos de servidores lotados na Auditoria e Corregedoria, sem apresentar os deflatores de ausência de sistema. As Entidades ressaltaram a continuidade de distorção vista entre as indisponibilidades certificadas pelo INSS e a realidade constatada no dia-a-dia.

Os resultados apresentados sem a aplicação do deflator mostram que 8 gerências não atingem a meta, são elas: Salvador, Fortaleza, Juazeiro do Norte, Uberaba, Natal, Araçatuba, Aracaju e Macapá, informado que as áreas envolvidas estão trabalhando na solução para o tratamento dos dados que geram o resultado do ITC.

Atualmente o resultado é gerado por meio de planilha eletrônica, a partir das extrações realizadas pelo BG Tarefas e no SIAPE. O Diretor informou que, uma das alternativas pode ser a criação de demanda para a DATAPREV, mas, em tratativas com a DTI, foram informados sobre a indisponibilidade de novas demandas nesse momento. Outra possibilidade é a criação de um painel/sistema.

Quanto à possibilidade de expurgo do quantitativo de servidores com afastamentos que totalizam período superior a 2/3 do ciclo, a Procuradoria se manifestou favorável.

O Diretor da DGPA divulgou o cronograma das próximas reuniões do CGNAD, sendo a próxima em 18.02.2020.

 

A representação dos servidores levantou alguns problemas que podem impactar na GDASS:

  1. Ausência total de fluxos para processos que dependem do PMF, impedindo totalmente a conclusão destas tarefas, sendo: LC142 (todas as Aposentadorias) e CTC's com analise de atividade especial, pensão com filho maior invalido na condição de dependente, B87 ( face ausência de vagas de PM);
  2. Cobrança pela constituição do comitê que irá discutir as metas e pontuações;
  3. A pontuação do B87 só conta para o ITC-GDASS, após a conclusão do benefício, ou seja, mesmo estando fora da governança do servidor e até mesmo do INSS a falta da perícia médica tem um forte impacto negativo no indicador

Os representantes dos servidores solicitaram que, devido ao momento de transição e de a metas e o indicador não ser claro para a maioria dos servidores, e a possibilidade de algumas gerências não atingirem a meta, que fosse suspenso a aplicação de efeito financeiro para esse ciclo, porém a representação do INSS foi enfática em dizer que essa possibilidade não existe.

As entidades afirmaram que o indicador não atende, sequer, o parecer da procuradoria que no item 22 diz que "as metas a serem cumpridas devem ser objetivamente mensuráveis, utilizando-se como parâmetros indicadores que visem aferir a qualidade dos serviços relacionadas a atividade finalística do INSS". O Diretor disse que pretende percorrer as Superintendências com o objetivo de esclarecer a métrica do ITC-GDASS

 

Outros pontos debatidos foram

  1. Aproveitamento para o mês subsequente de pontos excedentes no mês em razão da publicação tardia do abatimento face indisponibilidade de sistemas. O diretor informou que levaria a questão para ser debatida em reunião de direção.
  2. Portaria 54: diretor informou impossibilidade de não haver cobrança com descontos financeiros pelo não atingimento da meta para quem está submetido aos Programas de Gestão PGSP e CEAP, alegando fiscalização da CGU. “As Entidades defenderam a posição de que a Portaria 54/2019 DGPA foi publicada após a adesão aos Programas e que por isso não poderia incidir o desconto”.
  3. Insegurança jurídica na análise: Falta de norma única, divergências entre IN e Oficios (EX: Oficio 46). As normas não atualizam a IN 77/2015, causando insegurança nos servidores, podendo prejudicar a análise. Foi dito que estão trabalhando para diminuir este problema.

A representação dos servidores a os servidores que se envolvam e se mobilizem nesse tema para fazermos um enfrentamento a altura e não venha ocorrer desconto de remuneração pelo não atingimento de metas que se ocorrerem é por problema de gestão e não dos servidores.

Representantes dos servidores no CGNAD

 

Avaliação do nosso representante no CGNAD, DEIVID CHRISTIAN

Colegas!
Conforme relatório do resultado do ITC-GDASS apresentado ao CGNAD.
Nossa gerência foi uma das 8 que não alcançou a meta no mês de novembro. Nesse resultado ainda não está aplicado o deflator da meta devido a indisponibilidade dos sistemas, em novembro o multiplicador será 71 e não 90. No resultado apresentado ainda está considerando 90.

Quando o deflator é aplicado somente a Gex Salvador não consegue chegar meta mínima.

É importante ter essa informação para percebermos que estamos bem no limite da meta mínima que para esse ciclo é 65%.

 

 

O SINDIPREV/SE NÃO FOGE À LUTA

Gestão: 2017/20

Coordenador Geral: Joaquim Antonio